Ela e eu

O poema engasgado

Umas contas que não pude pagar

Um adeus solene

E isso deveria ter sido dito

Enquanto éramos

Melhor enquanto teríamos

Como apagar

As palavras torpes

Mediavam o torpor

A menina dos afetos impossíveis

Cortou os pulsos

Ela não morreu

Somos eu e ela unidade perdida

Sou dividida

Não amo

E que pressa!

Ela me esqueceu.

Uma que morre sou eu

A outra que vive

Me nega!

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s